Rafaella fevereiro 7, 2017 Nenhum Comentário

Cobrança retroativa das taxas do Fermojupi é revogada e cartórios devem devolver valores à população

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Piauí (CRECI/ PI) esteve reunido com o presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, o desembargador Erivan Lopes, para discutir o aumento da taxa devida ao Fundo Especial de Reaparelhamento e Modernização do Poder Judiciário Piauiense- Fermojupi. Segundo o presidente do CRECI-PI, Nogueira Neto, foi decidido que o ato será revogado pela presidência do Tribunal.

Desde o início do mês de fevereiro, os serviços realizados em cartórios estão com valores reajustados. A atualização do percentual da taxa passou de 10% para uma incidência de 20%, acrescidos nas taxas pagas pela população no ato dos requerimentos junto aos cartórios.

“Antes do dia 1º de fevereiro, quem pagou por uma solicitação, teve acrescido os 10% do Fermojupi. Ao buscar o mesmo documento já no mês de fevereiro, o cidadão teve que pagar os outros 10% reajustados, ou seja, a população está pagando de forma retroativa por um reajuste que só passou a valer este mês”, explicou o presidente do CRECI-PI, Nogueira Neto.

Na reunião, as equipes do TJ e CRECI-PI discutiram a ilegalidade da cobrança retroativa das taxas do Fermojupi. “A partir de agora, quem pagou a taxa de forma retroativa pode solicitar a devolução dos valores. O cartório vai ter que devolver, essa foi uma decisão discutida e decidida no gabinete do Presidente Erivan Lopes nesta manhã”, afirma o Diretor Tesoureiro do CRECI, Demetrius Fonseca.

O aumento da taxa de fiscalização de 10% para 20% foi considerado a partir da Lei Estadual nº 5.425/2004, art. 3º, V, alterada pela Lei Estadual nº 6.881, de 26 de agosto de 2016 e o Provimento CGJ nº 01, de 11 de janeiro de 2017.

 

 

 

Rafaella janeiro 30, 2017 1 Comentário

Convênio dará exclusividade aos corretores na comercialização de imóveis retomados pela Caixa

A Caixa Econômica Federal abriu mercado para os corretores de imóveis através de um convênio com o Sistema Cofeci- Creci (Conselho Federal de Corretores de Imóveis). Pelo acordo, os profissionais interessados poderão se inscrever, em seus respectivos Regionais, para comercializar os imóveis retomados pela instituição bancária e já disponíveis para venda direta.

Já existe cerca de 24 mil propriedades em carteira, com previsão de ingresso de outros 20 mil imóveis ainda neste ano. “Temos que colocar nossa carteira de imóveis nas mãos de quem entende”, disse o vice-presidente de Operações Corporativas da Caixa, Marcelo Prata, durante a audiência de celebração do convênio.

De acordo com um levantamento preliminar da Caixa, a maioria expressiva da carteira é composta por imóveis residenciais, de um, dois e três dormitórios. O valor médio das propriedades é de aproximadamente 250 mil reais. Assim que a Caixa passar a relação detalhada das propriedades, os Crecis irão disponibilizar mais informações e divulgar um cronograma de trabalho a todos os interessados.

Segundo o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Piauí (CRECI-PI), Nogueira Neto, os corretores do Estado receberão um comunicado para participar do treinamento quando a Caixa Econômica finalizar a regulamentação do convênio. “Nós já estamos em contato com o COFECI para que possamos aproveitar da melhor forma possível as oportunidades. Nesse treinamento serão repassadas informações sobre o credenciamento dos profissionais e dos imóveis, bem como um sorteio, além do financiamento e toda a parte burocrática da nova parceria”, explicou Neto.

Para participar desse convênio, os profissionais deverão estar em dia com suas obrigações junto aos Conselhos Regionais. A comercialização dos imóveis deverá acontecer a partir de março. Até lá, haverá um mapeamento dos imóveis por Estado, informações repassadas aos Crecis para orientar os corretores interessados. Cada propriedade será exclusiva de um corretor sorteado, que terá um período para realizar a comercialização.

A parceria repete uma bem-sucedida experiência, ocorrida nos anos 90, que foi coordenada então pelo atual presidente do Cofeci, João Teodoro. A Caixa, na época, firmou o primeiro convênio do gênero com os corretores de imóveis. O êxito daquela experiência ajudou a dar celeridade nos entendimentos entre o Sistema Cofeci-Creci e a Caixa para firmar o convênio atual.

 

 

Rafaella janeiro 27, 2017 Nenhum Comentário

Novo Código Tributário desonera alíquota do ITBI e dá vantagens ao contribuinte

O coordenador especial da Receita, Alexandre Castelo Branco, esclareceu detalhes sobre a  nova cobrança em entrevista a TV Clube.

Veja a entrevista aqui

Os contribuintes que estão em processo de compra ou de transferência de bens imóveis no município de Teresina possuem vantagem no pagamento do Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI). Isso porque o Novo Código Tributário Municipal, aprovado em dezembro pela Câmara de Vereadores, desonerou a forma de tributação do imposto.

Tendo como fato gerador a transmissão entre pessoas vivas de propriedade ou domínio útil de bens imóveis, o ITBI tem como base de cálculo o valor venal do bem. Com a alteração no Código Tributário, a alíquota passa a ser de 1,8% para quem pagar o imposto no prazo de 180 dias contados da assinatura do contrato. Para os pagamentos em cota única, a alíquota é de 1,71%.

“O Novo Código Tributário prevê uma alteração na forma de tributação do ITBI, reduzindo a alíquota e oferecendo vantagens para quem paga o imposto em até 180 dias da assinatura do contrato. Nossa intenção é incentivar a formalização dos contratos junto aos cartórios, dando segurança jurídica para quem adquire um imóvel”, explica o coordenador especial da Receita da Secretaria Municipal de Finanças, Alexandre Castelo Branco, lembrando que o pagamento prévio do ITBI é obrigatório para que se possa concluir o registro do imóvel.

O coordenador especial da Receita lembra que quem efetuar o pagamento do ITBI em cota única até o dia 28 de março deste ano terá alíquota de 1,62%. A alíquota vale tanto para quem está dentro do prazo de 180 dias da assinatura do contrato quanto para os demais.

“Nesse intervalo até o dia 28 de março, que chamamos de fase de transição, qualquer contribuinte que estiver formalizando o contrato de compra e venda pode usar essa alíquota. É uma forma de incentivar a regularização dos contratos de gaveta, beneficiando principalmente quem está efetuando a compra”, comenta Alexandre Castelo Branco.

Após a assinatura do contrato de imóvel, os dois interessados vão ao cartório para fazer o registro de imóveis. Para isso, no entanto, é necessário o pagamento do DATM, gerado pelo próprio cartório. Com a efetuação do pagamento, o tabelião está liberado para finalizar o procedimento de transferência.

Quem possui contrato antigo poderá usufruir do benefício fiscal até o dia 26 de junho deste ano. Após esta data, a alíquota de ITBI para contratos celebrados a mais de 180 dias, será de 2% para pagamento parcelado e de 1,9% para pagamento em cota única.

O coordenador especial da Receita, Alexandre Castelo Branco, esclareceu detalhes sobre a  nova cobrança em entrevista a TV Clube.

 

FONTE: Prefeitura Municipal de Teresina

Rafaella janeiro 23, 2017 1 Comentário

ITBI passa a ter taxa única em transferência de imóveis sob os contratos de cessão

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Piauí reuniu-se na manhã desta segunda-feira (23), com o secretário municipal de Finanças, Jalisson Hidd, e o coordenador especial da Receita Municipal, Alexandre Castelo Branco, para tratar sobre o recolhimento do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), que vem sendo cobrado a cada compra e venda de imóveis na capital.

De acordo com o presidente do CRECI, Nogueira Neto, a determinação da Constituição Federal e o Código Tributário Nacional é de que haja apenas uma cobrança de taxa. “O que recomenda o STF é que no ato de registro do imóvel seja efetuado o pagamento do ITBI e não haja mais cobrança sobre os processos de compra e venda. Isso não vinha sendo cumprido em Teresina, mas em nossa reunião já constatamos que esse pagamento único passou a valar desde 28 de dezembro, após o novo Código Tributário do Município”, explica Nogueira Neto.

9b090a4d-4935-42b0-82a1-679261479fe7

Alexandre Castelo Branco, coordenador da receita municipal, diz que aplicação da lei foi iniciada no final de 2016 e vai desburocratizar o processo de compra e venda de imóveis. “Nós já marcamos uma reunião com os cartórios para orientar sobre a legislação já vigente e vamos debater sobre o novo procedimento que deve ser adotado, de que a cobrança seja feito em cima do fato gerador do ITBI, que é o registro do imóvel”, afirma.

“Apesar de não ter sido feito a divulgação desse novo procedimento adotado pelo poder público municipal, é muito favorável aos contribuintes e deixa de onerar o processo de transmissão de propriedades”, finaliza Nogueira Neto, presidente do CRECI.

Estiveram presentes também, o conselheiro Federal Aluisio Sampaio e o Assessor Jurídico do Creci, Dr. George Medina Prado.

Rafaella janeiro 13, 2017 Nenhum Comentário

Corretores e Empresas fiquem atentos a entrega da Declaração de Inocorrência

Clique aqui para realizar a Comunicação de não ocorrência

Os Corretores de Imóveis e empresas de promoção imobiliária ou compra e venda de imóveis devem ficar atentos à entrega da Declaração de Inocorrência, ano base 2016. Até o dia 31 de janeiro, os profissionais e empresas que não vislumbraram, durante o ano civil anterior, nenhuma operação imobiliária ou proposta de caráter suspeito devem, por meio do site do Cofeci (www.cofeci.gov.br), formalizar a declaração.

Desde fevereiro de 2015, tornou-se obrigatório o registro de corretores de imóveis pessoas físicas junto ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras, COAF. Anteriormente, o cadastro era exigido apenas para as sociedades empresárias construtoras, incorporadoras, imobiliárias, loteadoras, administradoras de imóveis, cooperativas habitacionais e os leiloeiros imobiliários. A finalidade da extensão do cadastramento é apoiar as atividades do Conselho no combate à lavagem de dinheiro nas transações imobiliárias.

Os agentes imobiliários devem ficar atentos às operações com as características previstas na Resolução-Cofeci 1.336/2014, redigida com base no artigo 9º, X, da Lei 9.613/98, de Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Devem-se atentar, por exemplo, às transações efetuadas em dinheiro vivo, com moeda estrangeira ou cheques de terceiros. Todas as operações imobiliárias ou intermediações suspeitas devem ser declaradas de imediato. A declaração de ocorrência deverá ser feita no site do COAF, logo, o declarante, sendo pessoa jurídica ou física, deve ser inscrito no CRECI.

Apostila de Prevenção a Lavagem de Dinheiro para o Setor Imobiliário, elaborado pelo

Rafaella janeiro 10, 2017 Nenhum Comentário

CRECI-PI aumenta fiscalização para combater atuação irregular

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Piauí (CRECI-PI) intensificou o número de fiscalizações de profissionais e imobiliárias no estado do Piauí. No último ano, foram realizadas 1.952 diligências na capital e interior do estado, tendo um aumento considerável de notificações em relação ao ano de 2015. O Conselho registrou um aumento de 87,17% de autuações sobre aqueles que exerceram a profissão ilegalmente.

Em 2016, o Conselho registrou 73 casos de exercício ilegal da profissão, 325 autos de infração e 1.399 autos constatação. De acordo com o coordenador de fiscalização, Lourival Rodrigues, o crescimento dos índices está relacionado ao novo modelo adotado pela equipe do CRECI.

img_8161

“Nós conseguimos mais duas viaturas e agora temos equipes que fazem o trabalho externo exclusivo de fiscalização, isso reflete na produtividade da fiscalização que passou a contar com um carro para cada fiscal. Para o ano de 2017 teremos um novo sistema com ferramentas que permitirá avançarmos ainda mais nesse trabalho de estratégica de fiscalização”, explica Lourival.

O presidente do CRECI-PI, Nogueira Neto, pontua que a prioridade do órgão é continuar fiscalizando para proteger a categoria. “Nosso trabalho é sempre proteger a categoria e a sociedade. Estamos mais atentos as irregularidades relacionadas a área e nosso objetivo é prosseguir com as fiscalizações e conscientizar os corretores da importância de serem ligados ao Conselho”, afirma Nogueira.

O coordenador de Fiscalização ainda reforça que as diligências serão intensificadas com objetivo de continuar combatendo o exercício ilegal da profissão, fiscalizando as inspeções de registro imobiliário dos imóveis e a autorização de venda e situação de regularidade junto ao Conselho.

 

Rafaella janeiro 4, 2017 Nenhum Comentário

Planejar locação de imóvel novo em 2017 requer cuidados

Início do ano é a data referida por grande parte das pessoas para sair em busca de um novo lar. Tradicionalmente em janeiro aumenta a procura por interessados em alugar imóveis na cidade de São Paulo, em razão de universitários que vêm estudar em faculdades paulistanas e da transferência de profissionais para empresas da capital paulistas.

Quem vai aproveitar o período de férias para procurar um imóvel para alugar em 2017 deve fazer um bom planejamento para conseguir o melhor negócio.

“O momento é muito bom para quem deseja alugar imóveis. Há uma boa gama de ofertas e os proprietários estão mais flexíveis na negociação de preços e prazos”, diz Roseli Hernandes, diretora de Locação da Lello Imóveis, imobiliária e administradora paulistana.

O primeiro passo é delimitar as áreas de preferência em um ou dois bairros, para facilitar a pesquisa. Para isso é fundamental verificar as opções de acesso, transporte e serviços essenciais como supermercados, padarias, farmácias, academias e escolas próximas aos locais desejados.

Também é importante que o futuro inquilino defina uma faixa de preço de aluguel, incluindo os encargos como IPTU e condomínio, que está disposto a pagar. Roseli alerta que esse valor não pode comprometer mais do que 30% da renda líquida mensal do interessado. “Esse é o limite ideal para que o inquilino possa arcar tranquilamente com as despesas da locação durante os 30 meses de vigência do contrato”, afirma.

Ainda em relação ao aluguel, explica Roseli, o candidato a inquilino deve solicitar a imobiliária uma boa pesquisa, pois os valores variam bastante. “Há unidades de padrões similares numa mesma rua que possuem preços diferentes, dependendo do estado de conservação ou mesmo da proximidade com terminais de ônibus ou estações de metrô”, explica.

Antes de assinar o contrato a imobiliária deve providenciar uma vistoria no imóvel, determinando seu estado de conservação. Dessa forma é possível determinar a responsabilidade de cada um no reparo de eventuais danos. O inquilino deve estudar com a imobiliária qual garantia se enquadra ao seu perfil. Atualmente as opções de garantia são fiador, seguro-fiança, caução e título de capitalização.

Por fim, orienta Roseli, o candidato a inquilino deve estar atento à documentação que precisará reunir para efetivar o contrato de locação.

Fonte: ZAP em Casa

Rafaella dezembro 12, 2016 Nenhum Comentário

Três técnicas de vendas para começar bem 2017

Businesspeople With Digital Tablet Having Meeting In Office

Uma das maiores dificuldades comungadas pelos corretores de imóveis (tanto os iniciantes, quanto os experientes) é a questão da abordagem. Conforme a vida das pessoas fica cada vez mais corrida, mudam-se também as abordagens ideais para conseguir um cliente. Entender o que seus clientes buscam é o primeiro passo para ter técnicas de venda para abordar os clientes fazendo com que eles fechem negócio com você. Pensando nisso, enumeramos 3 técnicas de vendas (lucro, investimento reduzido e qualidade de vida) que efetivamente funcionam na hora de abordar a clientela. Vamos conferir?

Todo Mundo Quer Sair Ganhando

Ofereça o lucro certo. Como? Simples, apresente os fatos que mostrem ao cliente que o imóvel que você está oferecendo tem uma valorização anual maior do que os demais. Assim, mostre que se ele investir hoje, em pouco tempo poderá ter um bom percentual no preço de venda. Mostre também os diferenciais que fazem, por exemplo, com que um apartamento valorize pelo menos 4 pontos percentuais a mais do que os da mesma região. Explique fatores como materiais de acabamento, localização, vista, etc.

Investimento Reduzido É O Que Todo Mundo Procura

É nessa hora que ter um bom networking pode fazer toda a diferença, esta técnica de venda consiste em ficar atento ao que seus colegas estão vendendo e nas oportunidades que você pode criar para outros clientes.

Se você sabe que um dos seus clientes está querendo se livrar do aluguel, por exemplo, você também sabe que ele provavelmente procura uma boa oportunidade de investimento reduzido. Você pode conseguir uma solução para ele monitorando seus demais clientes, aqueles que estão querendo vender um imóvel, por exemplo. Entre eles, com certeza você encontrará um que está oferecendo um imóvel com o preço ideal para seu outro cliente.

Veja os pontos em comum que o imóvel tenha em relação ao que o outro cliente procura e mostre a ele a excelente oportunidade que pode se tornar um investimento de 15% a 20% abaixo do valor de mercado. No mínimo, ele ouvirá o que você tem a dizer e com certeza prestará ainda mais atenção nas suas próximas ofertas – isso se não fechar com esta.

Qualidade De Vida, Quem Não Quer?

Hoje uma das principais motivações de quem procura um imóvel é a qualidade de vida. Quem não deseja morar próximo ao trabalho, ter mais espaço para os filhos, ficar mais perto da praia, ter uma garagem para guardar o carro, um jardim para cuidar ou uma área de lazer para aproveitar melhor as horas de folga?

Por isso, procure saber não só o que o cliente procura, mas porque ele está procurando aquele tipo de imóvel. Encontre a melhor forma de ajudá-lo a melhorar sua qualidade de vida procurando a casa ou apartamento que mais atende a suas necessidades e desejos. Lembre-se que, nestes casos, você está lidando com sonhos. Por isso, procure entendê-los e realizá-los da melhor forma possível. Não se preocupe apenas em fechar negócios, mas também em fidelizar clientes e, quem sabe, até ganhar a indicação de seu cliente no futuro.

Fonte:  Tecimob/ Publicidade Imobiliaria

Rafaella dezembro 2, 2016 Nenhum Comentário

CRECI participa de seminário sobre Licenciamento Ambiental

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis (CRECI) esteve participando na manhã desta sexta-feira (02), do Seminário de Licenciamento Ambiental: Loteamentos e patrimônio histórico cultural, realizado no Ministério Público Estadual.

Com o objetivo de apresentar a sistemática do licenciamento ambiental, a partir da consulta ao IPHAN e as instruções normativas, o Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente (CAOMA), reuniu órgãos estaduais para discutir procedimentos e restrições legais estabelecidos pela lei para os loteamentos urbanos na capital.

Representando os corretores de imóveis, o presidente Manoel Nogueira Neto, afirmou a importância do evento. “É essencial para a nossa classe compreender as restrições, analisar casos de licenciamento ambiental em Teresina. Hoje temos oportunidade de aprender com diversos profissionais da área sobre o assunto”, disse o presidente.

O seminário é uma organização do COAMA, em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMAN), da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Piauí (SEMAR) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Rafaella dezembro 1, 2016 Nenhum Comentário

CRECI-PI discute aumento de taxas cartorárias na Assembleia Legislativa

 

Representantes de diversas categorias se reuniram na Assembleia Legislativa do Piauí nesta terça-feira, dia 29, para debater junto aos deputados estaduais sobre Projeto de Lei de Custas e Emolumentos enviado pelo Tribunal de Justiça, que determina reajuste dos valores cobrados por custas e emolumentos pelos serviços prestados pelo judiciário e os delegatários responsáveis por atos notoriais e de registro e despesas.

Membros do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (CRECI-PI), Sindicato dos Ceramistas do Piauí (SINDICER-PI), do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Teresina (Sinduscon), Ordem dos Advogados do Piauí (OAB-PI), Associação dos Produtores de Milho e Soja, dentre outras entidades solicitaram que seja elaborada uma proposta razoável de acordo com a conjuntura econômica atual do país e que respeite o teto da inflação. O aumento prejudica o setor de agronegócio, imobiliário, lojistas, dentre outros. Está proposto aumento de mais de 100% em algumas taxas.

O presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Piauí (CRECI-PI), Nogueira Neto, ressalta que caso o projeto seja aprovado ficará cada vez mais difícil o acesso da população mais carente as demandas judiciais. “Esse aumento é injustificável. As taxas imobiliárias, por exemplo, estão ainda mais caras e essa proposta é inoportuna para o momento atual em que estamos vivendo. É um aumento que interfere diretamente com todas as classes, não somente no setor imobiliário”, destacou.

Representando a Ordem dos Advogados do Piauí (OAB-PI), o advogado Antônio Carlos da Costa e Silva afirmou que as taxas do judiciário do Piauí já estão entre as mais caras do Brasil e que em um cenário de crise esse aumento se torna inadmissível. “Até sexta-feira apresentaremos uma proposta como sugestão. A OAB representa o povo e com este aumento que vem prejudicar tantos setores, o princípio da razoabilidade está sendo ferido. A OAB como defensora dos interesses do povo, pede a ponderação dos deputados para esta decisão. Precisamos de uma saída com boas iniciativas e menos prejuízos”, disse o advogado.

O relator da Comissão de Justiça da Assembleia Legislativa do Piauí, deputado estadual Luciano Nunes, recomendou que as entidades presentes enviem até esta sexta-feira, dia 02 de dezembro, uma proposta para que os deputados tenham subsídios para acompanhar. “Todas as ponderações são pertinentes para nós. Esta decisão precisa ser adequada e haja a democratização das informações e dos interesses das classes. Então, é recomendado que cada categoria formalize essas informações para que nós deputados possamos acompanhar. É preciso que, as classes se organizem e se for preciso realizaremos uma audiência pública para discutir e compreender os motivos deste aumento de taxas”, finalizou o deputado Luciano Nunes.