Rafaella julho 27, 2017 Nenhum Comentário

Como se destacar como corretor de imóveis?

Não é nenhuma novidade que o mercado imobiliário é um dos mais competitivos, principalmente, em tempos em que a economia passar por mudanças complexas. Um dos fatores que têm contribuído para aumentar esse índice de competitividade é o massivo número de profissionais que atua no setor.

Muitos desses profissionais não possuem qualificações ou experiência suficientes para oferecer um bom atendimento ou lidar com aspectos delicados envolvidos nas transações imobiliárias de seus clientes. Assim, eles acabam saturando o mercado. Isso abre uma grande margem de crescimento e oportunidade de destaque para os corretores de imóveis que investem em suas carreiras.

No artigo de hoje, você vai conferir cinco cursos essenciais para corretores de imóveis que querem se profissionalizar e obter destaque em sua área. Continue lendo para conferir!

1. Marketing Imobiliário

Um dos grandes desafios de todo corretor imobiliário é que esse profissional atua praticamente de forma autônoma quando se trata de marketing, seja para promover a si mesmo ou para promover seus imóveis.

Tal tarefa exige conhecimentos e técnicas específicas para atrair clientes, fotografar e expor imóveis, tanto em mídias físicas como digitais, divulgar a si mesmo em plataformas imobiliárias online e aumentar sua vantagem competitiva, entre outros aspectos cruciais.

Por isso, cursos de marketing imobiliário são cada vez mais procurados por profissionais do setor.

2. Finanças No Mercado Imobiliário

O corretor imobiliário precisa ter conhecimentos avançados sobre finanças, além de se manter sempre atualizado sobre os acontecimentos políticos e socioeconômicos no Brasil e no mundo. Esses fatores exercem forte influência sobre o mercado imobiliário.

Além disso, o corretor de imóveis precisa dominar assuntos como:

  • Capitalizações simples e compostas;
  • Taxas de juros;
  • Amortização e financiamentos habitacionais;
  • Avaliações de fluxo de caixa;
  • Séries de pagamentos variáveis etc.

Cursos na área de finanças no mercado imobiliário são praticamente um pré-requisito para o corretor que deseja se destacar em seu ramo.

3. Tecnologia Em Negócios Imobiliários

Esse é um curso que pode agregar grande valor ao profissional, já que está disponível como pós-graduação em diversas universidades.

O objetivo do curso é aprimorar os conhecimentos do corretor sobre o mercado imobiliário, avaliação e gestão de imóveis, além de otimizar suas técnicas de compra, venda e locação.

4. Transações Imobiliárias

Disponível em nível técnico, o curso visa qualificar o profissional para obter sucesso nas mais variadas transações imobiliárias, tais como:

  • Compra, venda e aluguel;
  • Orientação de clientes em registros e transferências de imóveis;
  • Processos burocráticos;
  • Documentação;
  • Apresentação de imóveis para possíveis compradores.

5. Investimentos No Mercado Imobiliário

Diferentemente do que muitos pensam, uma das áreas comerciais que mais cresce em tempos de recessão econômica é o mercado imobiliário.

Considerando que imóveis são bens que não desvalorizam — muito pelo contrário, tendem apenas a valorizar com o decorrer dos anos —, o mercado imobiliário se mostra como um cenário de investimentos certeiros. Por isso, corretores que possuem conhecimento sobre o assunto obtêm grande destaque na área.

O objetivo do curso é aumentar a perspectiva do profissional, aprimorando seus conhecimentos sobre análise de risco em investimentos em empreendimentos residenciais e comerciais.

Ele também ensinar o corretor a se manter sempre atualizado sobre os principais fatores políticos, socioeconômicos e culturais que afetam os valores de compra e venda no mercado imobiliário.

Investir em cursos é sinônimo de melhoria constante: você é seu próprio cartão de visita e quanto mais aprimora seus conhecimentos, mais se destaca diante de seu público.

Fonte: Publicidade Imobiliária

Rafaella julho 21, 2017 Nenhum Comentário

Novo sistema de arrecadação do CRECI-PI é tema de reunião

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Piauí (CRECI-PI) esteve presente na reunião do Fórum das Entidades de Classe Regulamentadas com o Instituto de Estudos de Protesto de Títulos do Brasil/Piauí (IEPTB/PI) para discutir o recente convênio firmado com o IEPTB/PI. O encontro aconteceu na tarde de quarta-feira (19) e esclareceu o funcionamento do novo sistema de arrecadação das anuidades dos associados inadimplentes.

“Nós fomos os pioneiros em firmar convênio com o Instituto de Protestos e já realizamos um treinamento com os nossos funcionários para mostrar como funcionará o processo de arrecadação por meio do sistema de protesto de títulos. Então, agora estamos participamos da reunião para ajudar a esclarecer as dúvidas dos demais conselhos sobre a operacionalização do novo sistema”, conta o presidente do CRECI-PI, Nogueira Neto.

O novo sistema visa à recuperação de crédito de maneira eficaz, de forma que aumente o índice de pagamento no cartório. “Nós estamos todos reunidos imbuídos do sentimento de melhorar a arrecadação. E um dos benefícios que já encontramos no Estado é que o piauiense é um bom pagador, então, com o auxílio do nosso sistema, os títulos serão enviados de maneira mais prática e rápida para serem pagos ou protestados”, explica a presidente do Instituto de Protesto, Fernanda Sampaio.

O encontro também contou com a participação de representantes da Ordem dos Músicos do Piauí, da Ordem dos Advogados do Brasil e dos Conselhos Regionais de Educação Física, de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, de Economia, dos Representantes Comerciais, de Contabilidade, de Administração e de Biologia.

O protesto de títulos é uma ferramenta de recuperação de créditos de dívidas feita por meio da Central de Remessa de Arquivos (CRA). O protesto de Certidão de Dívida Ativa (CDA) garante a recuperação de créditos no prazo de três dias úteis, contados a partir da entrega da intimação do devedor.

2

4

Rafaella julho 20, 2017 Nenhum Comentário

CRECI-PI entrega doações de fraldas para Casa São José

Todo o material foi arrecadado por meio de doações dos corretores

O dia 20 Julho é lembrado como Dia do Amigo, pensando nisso nada mais justo do que demonstrar solidariedade e ajudar aqueles que necessitam. O Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Piauí, realizou nesta manhã mais uma ação solidaria e entregou fraldas geriátricas a Casa São José, instituição sem fins lucrativos que acolhe idosos. As doações foram arrecadadas durante a realização do Workshop Negociação Imobiliária promovido pelo CRECI-PI no mês de maio.

O presidente do Conselho, Nogueira Neto, explica que a iniciativa era é um desejo antigo da categoria. “Sabemos que a casa abriga uma grande quantidade de idosos e precisa de ajuda voluntária, então a gente reconhecendo o trabalhado que vem sendo desenvolvido, sensibilizamos nossa categoria no sentido de também fazer a nossa parte, contribuir para aqueles que estão necessitando de auxilio”, disse o presidente.

Associação Divina Providencia – Casa São José foi fundada por Teresinha Pedrosa em 1991, primeiramente com o objetivo de atender crianças.  Porém, em 3 de dezembro de 2006 a mentora fundou a Casa São José, que hoje atende 35 idosos, entre eles 18 homens e 17 mulheres.

De acordo com a coordenadora, Helena Amaral, devido a demanda a casa necessita de uma quantidade considerável de funcionários. “Para atender a demanda, hoje a casa conta com 34 funcionários distribuídos entre serviços gerais, serviços de cozinha, lavanderia, auxiliar de escritório, técnicos de enfermagem e cuidadores. A casa é mantida exclusivamente por doações e realizações de eventos. Não é fácil manter todo esse suporte, as doações são boas, mas não são suficientes para a manutenção de toda a estrutura”, disse.

A coordenadora Helena Amaral, fala que as doações são sempre bem vindas. “É com essas doações que a casa se mantém. Hoje, por exemplo, teríamos que comprar fraldas, mas graças a essa doação do Conselho, o dinheiro que seria utilizado para efetuar a compra, agora vai ser utilizado em outra finalidade”. disse a gestora.

DSC_0024

DSC_0080

DSC_0044

DSC_0079

DSC_0081

DSC_0063

Rafaella julho 10, 2017 Nenhum Comentário

Artigo – Presença obrigatória do corretor na escritura. Por que não?

Não são poucos os que, entre nós, perguntam: Por que não tornar obrigatória a presença do Corretor de Imóveis em toda escritura imobiliária? Se fosse obrigatória, não haveria atravessadores (picaretas) em nossa profissão. Vários outros profissionais são obrigatórios em suas respectivas atividades: advogados, médicos, engenheiros, farmacêuticos, contabilistas, etc..

O argumento não é totalmente verdadeiro. Todas as profissões têm seus atravessadores (picaretas). Há inúmeros bacharéis em direito, e até leigos, sem inscrição na OAB, trabalhando nos escritórios de advocacias. Há charlatães passando-se por médicos, receitando e até operando. Há construções sendo construídas sem engenheiro; balconistas passando-se por farmacêuticos; escriturários trabalhando como contabilistas. Enfim, não há profissão sem atravessador.

Uma das trinta profissões autorreguladas no Brasil é a dos Corretores de Imóveis. Um privilégio! Para fazer jus a uma lei de regência que permita a autorregulação, uma profissão tem de provar interagir com a sociedade com, pelo menos um, dos seguintes preceitos de proteção social: vida, saúde, honra, liberdade e segurança. Medicina, engenharia e advocacia inserem-se facilmente em mais de um deles. Nós, Corretores de Imóveis, para obtermos nossa Lei, tivemos de ampliar o conceito de “segurança” para “segurança financeira”. Conseguimos!

Mas a autorregulação não nos permite exigir que todo negócio imobiliário seja, obrigatoriamente, assistido por Corretor de Imóveis. Vivemos em um “Estado Democrático de Direito” onde há princípios constitucionais que não podem ser ignorados. Um deles é o da “livre disposição de bens”. Vale dizer: qualquer pessoa pode vender, alugar, doar e até destruir seus próprios bens, móveis, imóveis ou semoventes, sem a interferência ou ajuda de quem quer que seja. Uma lei que obrigue a presença do Corretor na escritura será INCONSTITUCIONAL porque desatende a um dos mais básicos princípios do Estado Democrático de Direito.

É diferente com a advocacia, cuja atuação protege a vida, a honra e a liberdade, embora haja situações em que é dispensável a presença do advogado, como o habeas corpus, causas trabalhistas e pequenas causas. A medicina protege a vida e a saúde. Entretanto, não raro, o médico pode ser substituído pelo farmacêutico e até pelo enfermeiro. A engenharia oferece segurança à vida e à saúde por meio da solidez que oferece às construções. Mas também há casos em que o engenheiro é dispensável, como nas construções rurais e construções de pequeno porte.

A presença obrigatória do Corretor na escritura fragilizaria nossa profissão com o ingresso desmesurado de pessoas sem nenhum prepara técnico, apenas em busca do ganho fácil, e criaria, sem nenhuma dúvida, a figura execrável do “corretor de porta de cartório”, que cobraria qualquer ninharia só para assinar a escritura de imóvel transacionado sem intermediário. Os advogados sofrem com a figura nefasta do “advogado de porta de cadeia”. Os engenheiros, com o não menos indesejável “calígrafo”, que assina plantas sem sequer conhecer o local da construção. Os médicos, com os charlatães e curandeiros. Os contabilistas, com os escriturários, e assim por diante. Ademais, o que impediria os cartórios de terem seus próprios “corretores”?

A solução contra o atravessador (picareta) não está na, constitucionalmente impossível, presença obrigatória na escritura. Está na eficiência da fiscalização exercida pelos CRECIs e no exemplo mundialmente difundido: eficiência e qualidade profissionais. Assim é nos EUA, no Canadá, no Japão e nos países europeus. Nenhum país do mundo exige o Corretor na escritura. Mas, no chamado primeiro mundo, onde a qualidade profissional é rigorosamente controlada, quase 100% dos negócios são intermediados por Corretores de Imóveis. É o que o Sistema COFECI-CRECI tem buscado incessantemente no Brasil, a despeito dos céticos e dos mal informados.

Outra solução, ainda que menos eficiente, seria a anotação obrigatória dos dados do Corretor em toda escrituração de imóvel que tenha sido objeto de corretagem, ou a informação de que não houve intermediação, passada ao oficial escriturário pelos vendedores e compradores, sob as penas da lei. Já aprovamos no Congresso Nacional lei com este teor, mas, infelizmente, o projeto foi integralmente vetado pelo então Presidente Lula. Continuamos lutando. Em breve escreverei artigo sobre este tema.

João Teodoro da Silva, Presidente – Sistema COFECI-CRECI

 

 

Rafaella julho 6, 2017 Nenhum Comentário

CRECI-PI participa do lançamento da Agenda Legislativa dos Corretores de Imóveis 2017

Nesta quarta-feira (05), o Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Piauí (CRECI-PI) participou do lançamento da edição 2017 da Agenda Legislativa dos Corretores de Imóveis. A publicação reúne 65 projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional e que influenciam diretamente no desempenho do setor imobiliário brasileiro, bem como na vida dos profissionais que atuam no segmento. O CRECI-PI foi representado pelo presidente e conselheiro federal, Nogueira Neto, e o conselheiro federal Aluísio Sampaio.

Lançada anualmente pelo Sistema Cofeci-Creci, a agenda foi apresentada a deputados e senadores durante solenidade em Brasília. O evento contou com a presença de dois senadores e cinco deputados federais da bancada do Piauí. Nogueira Neto explica que o documento traz uma leitura do cenário econômico brasileiro e do mercado imobiliário. “A agenda destaca o posicionamento do Sistema Cofeci-Creci em relação a cada um dos projetos relativos ao segmento que tramitam no Congresso Nacional”, conta o presidente do CRECI-PI.

Os conselheiros federais Nogueira Neto e Aluísio Sampaio visitaram, na última terça-feira (04), 13 gabinetes dos parlamentares da bancada federal, dentre eles: Ciro Nogueira, Elmano Férrer, Átila Lira, Rodrigo Martins e Maia Filho. Na ocasião, os corretores divulgaram a agenda e solicitaram apoio e celeridade na aprovação dos projetos.

Para o conselheiro federal Aluísio Sampaio, a apresentação da agenda aos deputados e senadores é importante porque é uma maneira de dialogar com eles sobre as pautas do mercado imobiliário. “Expomos nossa postura em relação aos projetos que impactam no desempenho do setor imobiliário e buscamos apoio para aprovação dos que são necessários para o desenvolvimento do nosso mercado”, explica.

O Sistema Cofeci-Creci aponta se as propostas listadas na agenda são favoráveis ou não, explicando o motivo do posicionamento, sempre considerando o impacto que irá causar para o corretor de imóveis, o setor, a economia e a sociedade brasileira.

FOTO 01

FOTO 03

FOTO 04

WhatsApp Image 2017-07-04 at 18.55.06

WhatsApp Image 2017-07-04 at 18.55.17